i
Français | English | Español | Português

Lituânia Economia

BERLIM — Com o governo do presidente americano Donald Trump pressionando as nações aliadas a reforçarem seus setores de Defesa, o debate sobre incrementar o poderio militar ganha foco na Alemanha. Caso consiga atingir os objetivos de Washington, o país europeu estará no caminho para ter, mais uma vez, o maior exército da Europa Ocidental. E, mesmo com rejeição — principalmente por parte dos próprios alemães — de um reforço militar alemão, as novas políticas transatlânticas de Trump fazem com que o governo reconsidere essa questão.

Nas últimas semanas, cerca de 500 soldados alemães chegaram à Lituânia para um deslocamento incerto perto da fronteira russa. A ação — liderada pela Alemanha, mas que conta com forças menores da Bélgica, Holanda e Noruega — é considerada pelos especialistas como a operação militar mais ambiciosa na região desde o fim da Guerra Fria.

— Com todo o respeito ao Estados Unidos, mas vocês tenham cuidado com o que desejam — disse o tenente-coronel Torsten Stephan, porta-voz das tropas alemãs na Lituânia. — O senhor Trump diz que a Otan pode estar obsoleta e que devemos ser mais independentes. Bem, talvez nós seremos. Info - Forças armadas Alemanha PIB

Para muitos na Lituânia, a Alemanha é considerada o bastião dos princípios da democracia e um dos maiores defensores dos direitos humanos. Frente às pressões dos EUA sobre a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), os lituanos pedem uma Alemanha mais forte ao seu lado, como afirma o ministro da Defesa, Raimundas Karoblis.

— Acho que a liderança dos EUA (na Otan) deva ser mantida, mas também precisamos de uma chefia na Europa — afirma Karoblis. — Por que não a Alemanha?

O ministro lituano afirmou ainda que, com o processo de separação do Reino Unido, a Alemanha é o país com mais garantias de estabilidade na região.

Recentemente, a polícia lituana, junto com alguns políticos importantes e jornais, receberam e-mails falando sobre uma adolescente de 15 anos ter sido supostamente violada por soldados da Alemanha. O governo da Lituânia desmentiu rapidamente as alegações — mas não antes do boato ser espalhado por contas falsas em redes sociais. As autoridades investigam se russos estariam por trás do caso. Enquanto isso, sites pró-Rússia utilizam antigos estereótipos, fazendo menções ao líder nazista, Adolf Hitler, e retratando a implantação da Otan na Lituânia como uma “segunda invasão” pela Alemanha.

Desde a chegada de Trump, a discussão só aumenta entre políticos e na imprensa. No mês passado, o Ministério da Defesa anunciou planos de expandir de 166.500 a 200 mil soldados o contingente militar. Após 26 anos de cortes, o investimento em Defesa sobe 8%. A chanceler federal Angela Merkel defendeu com cautela o aumento no Exército, mas sua ministra da Defesa, Ursula von der Leyen, defende os reforços dizendo que o país “não pode se esquivar”.

— Se Trump mantiver seu tom, os EUA deixarão a defesa europeia nas mãos dos europeus de uma maneira que não é vista desde 1945 — avaliou Berthold Kohler, publisher da “Frankfurter Allgemeine Zeitung”.

Para muitos alemães, no entanto, há diversas razões para que o país não assuma essa posição de liderança. Os argumentos vão de despesas excessivas com o Exército até o medo de uma nova corrida armamentista. Segundo uma pesquisa feita pela revista alemã "Stern", 55% a população são contra novos investimentos na defesa do país nos próximos anos — enquanto 42% são a favor.

oglobo.globo.com | 06-03-2017

RIO - Atrair investimentos de grandes empresas pode mudar o destino de pequenas economias. E a Lituânia — país europeu às margens do Báltico com apenas 2,8 milhões de habitantes — leva isso muito a sério. Para convencer a Tesla Motors, de Elon Musk, a abrir sua próxima fábrica gigante na Lituânia, 41 gamers do país passaram dois dias construindo uma réplica virtual da instalação dentro do popular video game Minecraft.

A estratégia não foi gratuita. Musk, um conhecido workaholic, sempre disse gostar de passar seu tempo livre jogando games. O criador da ousada Space X (empresa privada de transporte espacial) e conselheiro do presidente americano Donald Trump começou sua trajetória de empreendedor criando um game, aos 11 anos, vendido depois por US$ 500.

A fábrica gigante de baterias e finalização de carros elétricos da Tesla terá foco no mercado europeu e deve receber investimentos estimados em US$ 5,4 bilhões. A empresa já tem hoje em construção uma mega instalação que produzirá apenas baterias elétricas em Nevada, nos Estados Unidos, e que deve entrar em operação este ano.

Vladas Lasas, coordenador do projeto da Lituânia no Minecraft, disse que queria enviar uma mensagem a Musk, de que o país tem “muitos trabalhadores altamente qualificados” e uma área perfeita para a instalação da fábrica: a pequena cidade de Kruonis, uma área de livre comércio, próxima a dois aeroportos internacionais, a uma hidrelétrica e com cerca de 1,3 milhão de habitantes em seu redor. Além disso, Kruonis tem áreas disponíveis para geração de energia eólica e solar — uma abordagem sustentável bem apropriada para uma fábrica de carros elétricos.

Em resposta à investida de marketing do país, a Tesla postou em sua conta no Twitter: “A Lituânia conhece os caminhos para nos conquistar”.

Mas a disputa não será fácil. Portugal, França, Espanha, Alemanha e Holanda também estão no páreo para receber as instalações da Tesla. A escolha deve ser anunciada ainda este ano.

oglobo.globo.com | 05-02-2017

DAVOS - O desenvolvimento de uma economia não pode ser medido apenas distribuição de renda entre sua população. Ele também precisa considerar outros aspectos como o acesso das pessoas a educação, serviços, emprego, intermediação financeira, proteção social e patrimônio. Com base nessa premissa, o Fórum Econômico Mundial (WEF) de Davos, na Suíça, divulgou, nesta terça-feira, o novo “Relatório sobre Desenvolvimento e Crescimento Inclusivos”. O documento traz um ranking de 109 países com base nesses indicadores e também nos efeitos que problemas como a corrução trazem para a qualidade de vida dos cidadãos.

DAVOSO Brasil aparece em 30º na lista dos 79 países em desenvolvimento observados, atrás de outras economias como Argentina (11º lugar), Venezuela (26º lugar) e México (29º) . Isso porque embora tenha uma renda per capita mais elevada, a desigualdade faz o país perder posições. “Alguns países têm um ranking de Desenvolvimento maior que sua renda per capita, o que sugere que eles fizeram um bom trabalho em tornar seu processo de crescimento inclusivo. Isso inclui, por exemplo, Camboja, República Tcheca, Nova Zelândia, Coreia do Sul e Vietnã. Em contraste, outros têm um índice significativamente mais baixo que sua renda per capita, indicando o contrário. Isso inclui Brasil, Irlanda, Japão, México, Nigéria, África do Sul e Estados Unidos” diz o documento.

No caso brasileiro, se o critério de avaliação fosse apenas o crescimento econômico, ele ocuparia a 9ª posição. No entanto, quando se observa apenas o critério da desigualdade, o país despenca para a 42ª colocação. Entre os emergentes, os três líderes no ranking são Lituânia, Azerbaijão e Hungria. Já os desenvolvidos têm no topo Noruega, Luxemburgo e Suíça.

De acordo com o documento, 51% dos países analisados viram seu índice de Desenvolvimento Inclusivo cair nos últimos cinco anos, o que comprova que os governantes têm dificuldades em fazer com que o crescimento econômico se transforme em progresso social.

— Existe um consenso global de que o crescimento inclusivo foi muito mais teórico do que prático. Para responder de maneira mais eficiente a problemas sociais, a política econômica precisa de reformas estruturais e também que ministros de finanças priorizem a inclusão tanto quanto a política macroeconômica tradicional — afirmou Richard Samans, um dos autores do documento.

oglobo.globo.com | 17-01-2017

Desde a sua segunda independência, em 1991 e durante muitos anos, a Lituânia concentrou a maior parte de seu comércio com a Rússia. Porém, enfrentou uma crise em 1999 devido a opções econômicas inadequadas e devido ao seu despreparo para lidar com a crise russa ocorrida no ano anterior. Após isso, passou a direcionar a maior parte de seu comércio para o Ocidente, ingressando também na OMC.


De dbpedia, licença creative commons CC-BY-SA
w3architect.com | hosting p2pweb.net
afromix.org | afromix.info | mediaport.net | webremix.info